Ir para conteúdo

3.1 coisas que você precisa saber essa semana: por Marina Giustino | Rio de Janeiro, 22.08.17

1 – Curadoria e sob demanda:

Apaixonamos no conceito da UDesign, plataforma online que trabalha com coleções exclusivas sob demanda: “Sem risco para criar, o designer tem liberdade de propor roupas de elaboração criativa até então improváveis de serem produzidas. Disponíveis apenas para usuários cadastrados, as peças são únicas e numeradas”. Ou seja, o estilista desenha, o consumidor expressa seu desejo de compra, só o que for vendido é fabricado e entregue em até 60 dias. A gente já andou citando em palestras algumas iniciativas parecidas, como a Print All Over Me, lembra? No UDesign, a curadoria das marcas é feita pelo próprio site, que a cada 15 dias lança nova coleção inteiramente dedicada a uma marca, com direito a editorial caprichado. A coleção da vez é da Pége, marca linda de babouches. Além de neomarcas, a plataforma também trabalha ao lado de nomes consagrados. Peças exclusivas que a Giuliana Romanno desfila, em breve, na SPFW serão as próximas a serem vendidas.

2ce0655f2d340a609c6e0acd5109d811

.

2 – A luta do Alibaba pela sua legitimação:

Que o comércio online é um caminho sem volta, isso a gente já sabe. Mas muita coisa ainda precisa ser revista nesse âmbito. Em casos de plataformas como UDesign e +Alma, por exemplo, existe uma pré-seleção cuidadosa sobre o que será vendido. Mas em relação a sites como Alibaba, basta a empresa se cadastrar e vender o produto, o que acaba permitindo com que ocorram muitos casos de cópia e comércio ilegal quando não há a devida fiscalização. O gigante chinês vem enfrentando sérios problemas por conta disso, sendo acusado de não se esforçar o suficiente ara acabar com esse tipo de venda. Após sofrer um processo do grupo Kering, que detém as marcas Gucci e Saint Laurent, o site lançou um canal online pra que marcas apresentem reclamações por violação de propriedade intelectual e diminuiu o tempo de resposta, que agora é de 24 horas. A plataforma também vem investindo em melhores tecnologias de rastreamento. Mas apesar dos esforços, o site ainda possui algumas lacunas. Até semana passada, como mostra esse artigo publicado pela Forbes, era possível encontrar “botes pra refugiados” sendo anunciados no Alibaba com preços variando entre $800 e $1.100. Na descrição, o vendedor ainda faziam questão de ressaltar que o produto era “antiafundamento”.

refugee-boat-1200x675

.

3 – 9 maneiras de pessoas brancas apoiarem a luta contra o racismo:

Muita gente se pergunta: “afinal, não sendo negr@, qual o meu papel na luta contra o racismo?” O Buzzfeed listou 9 maneiras de apoiar essa luta. Clica aqui pra ler. Entenda, curta, comente, compartilhe! Afinal, o racismo é um problema da nossa sociedade e deve ser combatido por todxs nós.

0610deab98edf16fc0fe8b5436d0c004

.

3.1 – #7300 Dias de Inspiração:

Vem celebração por aí! Nas próximas semanas, a gente quer te ouvir pra construir o nosso próximo Encontro que, nessa edição, além de muitas novidades, vai casar com o aniversário de 20 anos do Bureau e o de 10 anos do nosso RIOetc. Quem responder às nossas perguntas lá no Facebook, além de ganhar vibrações de amor e felicidade, ganha o nome no nosso painel de agradecimentos no dia do evento! Vem pra fexxxta! ;)

Clica aqui pra dar a sua opinião: “Quem você gostaria de ouvir falando sobre Arte & Design?”

Clica aqui também pra responder: “Quem você gostaria de ouvir falando sobre Comportamento & Estilo de Vida?”

A gente também quer saber: “Que marcas brasileiras você admira?”

E “Quem você gostaria de ouvir falando sobre gastronomia?” Responde aqui!

testeira_facebook_bureau_7300_final

3 coisas que você precisa saber essa semana por Marina Giustino | Rio de Janeiro, 15.08.17

1 – Fé & Streetwear:

“Esqueça a imagem que você tem de um pastor tradicional. O pastor atual está entre os jovens, ou melhor, é um deles, e usa jaqueta de couro, jeans rasgado, cuida do corpo e não raro, é cheio de tatuagens.” O FFW fez uma matéria bem curiosa sobre como algumas igrejas protestantes americanas tem agido através da Moda pra arrebanhar jovens fiéis. As igrejas não estão de brincadeira! A linguagem usada é atual e bastante cool, com linhas de streetwear pra deixar até ateu com vontade de usar. A tendência tem sido chamada de “church merch”.

“Se a ideia é atrair cada vez mais gente, a moda é uma ferramenta bastante poderosa. Você lê, ouve e veste os ensinamentos da igreja na linguagem que é mais fácil e natural pra você.”

capa-church-merch-3-1200x640

.

 

2 – #Representatividade: Senior Power

Celebrando Helen Mirren em sua capa, a revista americana de Beleza, Allure, traz uma importante reflexão sobre envelhecimento feminino em sua edição de setembro. Por que é tão difícil aceitar a velhice da mulher de maneira natural? A forma como nos expressamos em relação à beleza das mulheres maduras está sempre atrelada a ideais de beleza jovens. Alguns termos, como “antienvelhecimento”, muito empregado pela indústria da Beleza, ajudam a perpetuar esse estigma que é o envelhecimento da mulher. Em um ato revolucionário, a revista declarou que não pretende mais usar o termo em suas publicações. A editora-chefe Michelle Lee lembra que as pessoas sempre tendem a colocar condições em elogios oferecidos a mulheres mais velhas, como, por exemplo: “Nossa! Ela está ótima pra idade dela”, “Ela parece jovem pra idade que tem”.  Mas e se apenas disséssemos: “Ela está ótima”, “Ela está linda”? Em sua conta no Instagram, a Allure declarou: “Ninguém está sugerindo o abandono do retinol. Mas mudar a forma como pensamos sobre o envelhecimento começa com a mudança da maneira como falamos sobre o envelhecimento. Com isso em mente, e começando com esta questão, estamos deixando de usar o termo “antienvelhecimento” em nossas publicações”.  A atriz Helen Mirren é um ótimo exemplo de mulher mais velha cujo sexappeal e charmes são incontestáveis. Mesmo Helen sendo embaixadora da L’Oréal Paris, na linha Age Perfect, ela pede à marca que nunca use o termo “antienvelhecimento” em publicidades atreladas à sua figura. Não se muda a indústria da noite pro dia, mas grandes mudanças começam com pequenos gestos e, nesse ponto, a Allure acertou em cheio. <3 Na Moda, a gente tem visto uma vontade de abraçar a maturidade em campanhas, mas o número ainda é insuficiente. Em seu relatório semestral, onde analisou 444 campanhas de Moda, o The Fashion Spot concluiu que modelos com mais de 50 anos foram o grupo menos presente na Primavera de 2017, com apenas duas aparições (0,5%).

Allure-September2017-HelenMirren

 

.

3 – O maior cactário da América Latina:

Você sabia que a cidade de Imigrante, no interior do Rio Grande do Sul, abriga o maior cactário da América Latina e um dos maiores do mundo? O  cactário Horst tem o tamanho de dois campos de futebol, Recheado de diversas espécies, a estufa possui tipos raros e tem até exemplares com mais de 60 anos de vida. Quem quiser adquirir uma plantinha, os valores variam, vão desde R$4,00 podendo chegar a R$650. Se estiver por lá, vale a pena a visita, não só pela experiência, mas pelo visual inspirador. Mais dessa lindeza aqui, na matéria do Follow The Colours.

FTC-CACTARIO-HORST-cactos-suculentas-02FTC-CACTARIO-HORST-cactos-suculentas-06

3 coisas que vocês precisa saber essa semana por Marina Giustino | Rio de Janeiro, 08.08.17

1 – Essa marca de toucas de banho:

Da série “Como transformar um item banal em algo cool”. Quem ainda não tem vontade de ter uma touca de banho, vai passar a ter graças à Shhhowercap. A marca é um bom exemplar de um movimento da nova era, que é o de nichos. Negócios que já nascem proprietários, especialistas no fazer de um determinado produto. Quando uma marca foca no desenvolvimento de um produto específico, a prática se aprimora e se torna mais relevante do que quando se é aberto um leque muito grande de opções, mas não há aprofundamento em nenhuma delas, certo? Isso é um grande desafio pra essa nova “geração hifenada”, conhecida por fazer de tudo um pouco. Acreditar, se especializar e desenvolver uma assinatura, independente da confecção ser de maneira artesanal ou escalonada, de certa forma, faz lembrar profissões do passado, especializadas no fazer com propriedade, como o sapateiro, a bordadeira, o chapeleiro…

A Shhhowercap não só tem um design bacana (inspirado na forma de um turbante), mas, também, possui tecnologia à prova d´água e com propriedades antibactericidas, sem contar que a forma de se comunicar é original, divertida e atual. ;)

BOX_507A6615_1Shhhowercap+Shoot-10284color (1)

.

2 – Precisamos falar sobre mulheres imigrantes na costura:

O Modefica lançou uma reportagem digna de prêmio (!), dedicada a entender as motivações, lutas e desafios das mulheres imigrantes, principalmente bolivianas, que trabalham nas confecções paulistas. Muitas delas vêm ao Brasil pela questão financeira, mas, está aumentando, também a quantidade que foge da violência doméstica. Chegando aqui, nem sempre as coisas mudam. Uma série de fatores afeta a integração dessas mulheres na sociedade. O custo e a burocracia de documentos de regularização, a falta de conhecimento da legislação brasileira e as barreiras do idioma acabam deixando essas imigrantes suscetíveis à violência e à exploração, inclusive, dos próprios maridos. Mas a situação, apesar de muitos obstáculos, começa a tomar novos rumos com a organização dessas mulheres em movimentos de resistência. Entenda qual o seu papel de atuação na cartilha especial sobre como se engajar a respeito. Afinal, como representantes da Indústria da Moda, precisamos agir também.

mulheres-costura-portilho-meio (1)

.

3 – VHS? Nunca diga nunca…

Em 2014, a rede de lojas da Blockbuster anunciou o fim de suas atividades, afinal, com o streaming online em plataformas como a Netflix, o ato de alugar filmes se tornou obsoleto, né? De fato, existem colecionadores de VHS, assim como colecionadores de vinil, DVD, CD e uma infinidade de outras coisas. A gente tem observado um retorno dos discos de vinil movimentando o mercado com novas prensagens e vitrolas repaginadas. Levando isso consideração, pode até ser que as fitas VHS se tornem cool e retornem algum dia, né? (É aquele ditado: “nunca diga nunca”. Lembra da pochete?). Por enquanto, isso parece bem distante da nossa realidade, mas não pra um grupo de fãs sobreviventes, órfãos da Blockbuster, que criou um perfil hilário no Twitter intitulado “The Last Blockbuster”, com mais de 200 mil seguidores (!). Assumidamente “anti-Netflix”, alguns tweets parecem perdidos no tempo e no espaço da década de 90. Vale a pena conferir pra dar umas risadas.

blockbuster1

“O Netflix nem tem lojas”

blockbuster2

“Hoje, estamos oferecendo 25% de desconto em todos os nossos vídeos se vocês forem um casal. É preciso trazer a sua certidão de casamento ou dar um beijo de boca aberta na nossa frente”

blockbuster3

“Houve uma época, nos anos 90, em que ser visto dentro de uma Blockbuster era considerado um símbolo de status”

blockbuster4

“A gente te ajudou durante a sua infância, o mínimo que você poderia fazer é alugar Minority Report de vez em quando”

;)