Ir para conteúdo

Bureau + Fernanda Cortez: Alimentação Consciente | 5 Dicas que provam que vai muito além do orgânico por Fernanda Cortez - Menos Um Lixo | Rio de Janeiro, 10.03.17

Quando você fala sobre sustentabilidade lá vem a ideia do caro e chato. Quando fala do veganismo ou vegetarianismo pode saber que vai ter que multiplicar a chatice e os valores monetários (segundo as más línguas!). Fala de alimentação saudável e responsável, e o orgânico vem na ponta da língua de uma maioria, né? Pois bem, a ideia aqui é trazer a reflexão que uma alimentação boa pra você, para as pessoas e pro planeta vai muito além!

prato-vegetariano_0-600x400

Aproveitamento integral dos alimentos

Num país que diariamente joga no lixo 39 mil toneladas de comida (já falamos disso aqui), o que daria para alimentar 19 milhões de brasileiros por dia, é preciso falar sobre o desperdício. Aproveitar todas as partes de um alimento é também desperdiçar menos, pra além do que vai pra lixeira depois de sobrar no prato. É incluir a casca, os talos, as sementes e tudo que for possível na mesa. Trabalho já pontuado e feito pela nossa querida Regina Tchelly no Favela Orgânica (conheça mais). <3

post-favela-600x324 Regina Tchelly coloca em prática formas de aproveitar ao máximo cada alimento

Busque saber e crie esse hábito. O resultado é surpreendente e encantador! ;)

.

Pequeno Produtor

A gente sempre fala por aqui sobre a importância de nos entendermos como parte de um todo muito maior e de um sistema interdependente – planeta, animais, plantas, seres humanos. Optar pela compra e fortalecimento do pequeno produtor é considerar toda essa interdependência e fortificar o socioambiental, não apenas um ou outro. Quando você compra do Seu Zé que planta e entrega na sua casa, pode estar colaborando com o desenvolvimento de todo um núcleo familiar, além de construir relações e entender a origem do alimento e não ser apenas mais um número ou mero lucro no mercado alimentício. Há, inclusive, feiras que reúnem produtores locais, como a Junta Local, no Rio de Janeiro. Certamente, você encontrará uma bem próxima.

Junta-Local-600x357Feira no Rio reúne pequenos produtores locais e promove troca entre os participantes

Bom pra todo mundo! 😉

.

Produção Local

Seguindo a linha do repensar a produção, comprar por perto anda junto com o fortalecimento do pequeno produtor. Que tal valorizar o que emite menos gases para distribuição e colaborar com o que por muitas vezes faz girar a economia local e, consequentemente, a vida na comunidade? Tem sensação melhor? \o/ Além de ser muito mais fácil dialogar, mudar demanda, ajustar os serviços e por aí vai. Faça um mapeamento pra entender o que você consegue garantir dentro dessa linha hoje, no seu bairro, feito por mãos vizinhas. A regra é clara: mais local, menos global.

.

Respeitando o tempo de cada alimento

Quando é a época do morango? E do tomate? E do abacate? Dá pra comer maçã o ano inteiro? Dá! Mas qual o impacto disso? Como ela chega pra você? Como o seu corpo reage ao tratamento dado a esse alimento? Estamos respeitando a hora de plantar e de colher?
Não por acaso, sempre compartilhamos campanhas que falam sobre a preferência pelos alimentos da estação. O modo instantâneo como boa parte das pessoas lida com a alimentação segue a lógica do “quero agora”, do impulso impensado que propicia um consumo irresponsável, mas precisamos repensar, entender os malefícios disso para nós e para os planetas, e inverter essa lógica o mais breve possível. Não esqueça, quem faz a demanda é você!

.

Descarte responsável

Poderíamos fechar esse trecho com uma só palavra: compostagem. Não é de hoje que a compostagem doméstica é pauta aqui no Menos 1 Lixo. A Fe Cortez, nossa idealizadora, já fez até um vídeo respondendo as perguntas que sempre chegam para nós, trazendo um pouco mais sobre os impactos ambientais do descarte desenfreado e incorreto do resíduo orgânico e mostrando as mudanças que ocorrem na relação com o alimento a partir desse novo hábito. Confira o vídeo e, caso não possa ter uma composteira doméstica, conheça o trabalho da galera do Ciclo Orgânico. ;)

Agora é só repensar seus hábitos e tomar novas atitudes. Comece já!  \o/

.

{Este post é produzido e compartilhado com *Fernanda Cortez | Menos Um Lixo.}

*Fernanda Cortez é comunicadora, sócia da 220 Ideias Transformadoras e cabeça por trás do Menos 1 Lixo, movimento e plataforma de consumo consciente que chama atenção das pessoas sobre o volume de lixo que produzem no dia a dia, focando na mudança de pequenos hábitos diários, como a substituição dos descartáveis pelos reutilizáveis.

para bloglogo menos tendencia para posts blog

Nossos Influenciadores 2018 | Temporada de Calor | Ignez do Prado por Marina Giustino | Rio de Janeiro, 13.01.17

Na semana passada, iniciamos a nossa série de posts dos Influenciadores do Verão 18 com a Luisa Mendes. Hoje, a gente te apresenta a designer de estampas Ignez do Prado. A Ignez trabalhou por alguns anos com empresas da área, mas largou tudo pra viver um grande sonho. Como ela mesma diz: “algo que se vive ou se perde…” Junto com o namorado e cheia de planos, ela se mudou pra Austrália no ano passado. O bom de ser designer, é que se pode trabalhar de qualquer cantinho do mundo. De lá, ela toca seus freelas, através do seu próprio estúdio de estamparia, o Nextamp (ela também tem pintado uns vasinhos lindos). Recentemente, a Ignez criou uma conta no Instagram, o @Ausilians, onde dá pra sentir um pouquinho do clima da terrinha do Canguru. ;)

Um dos nossos temas da temporada é o Tropicamará, que fala sobre o potencial criativo e a efervescência cultural dos países atravessados pela linha do Trópico de Capricórnio. Em especial, das cidades do Rio, do Cabo e Sidney. Foi aí que a gente cruzou com a Ignez, que trouxe muitos insights bacanas pra gente sobre a Austrália. Estamos amando muito os artistas australianos da nova geração, com suas cores vibrantes e tropicalidade exuberante. De certa forma, há algo que une nós, brasileiros, a eles e aos nossos irmãos sul-africanos. O estilo de vida, o clima, a natureza, o borogodó…

image1Ignez do Prado

.

O que e quem tem te influenciado aí na Austrália?

“Recém chegada, já tive a oportunidade de apreciar a arte da australiana Tamara Armstrong e me apaixonei pela série dela que se chama Bold Botanicals. No momento esta série está exposta em uma das lojinhas mais charmosas aqui da Gold Coast, a Dbar House, uma loja que pertence a um café/restaurante/bar que é delícia, o Dbar.”

15094282_1283058818413411_4024917951584061031_n14195396_1206876312698329_7247756673592664946_oA arte da Tamara Armtrong na concept store Dbar House

.

“Outra artista/designer local aqui de Coolangatta, que me encantei muito pelo trabalho, é a Leah Bartholomew. Encontrei um painel e uns quadros dela em um cabeleireiro aqui da vizinhança o Maverick Hair & Art Space, que é voltado para Arte e Design.”

leah-tile-20151214132724-q75dx1920y-u1r1g0cPor aqui, a gente também é muuuito fã da Leah Bartholomew! <3maverick-hair-art-space2Maverick Hair & Art Space

 

“Em Byron Bay, uma das cidades que mais cresce e ferve, pude conhecer a banda de Sidney, The Beautiful Girls, além de, claro, ir pessoalmente na loja da Spell Byron Bay e viver a vibe incrível da cidade. Outras bandas australianas que conheci por aqui e curti: Ball Park Music e Hiatus Kaiyote.”

spell1O estilo boho-praiano da Spell é um verdadeiro sucesso!

Uma banda australiana de Soul? Sim! <3 É a Hiatus Kaiyote com sua sonoridade nada óbvia misturando Soul, Jazz e Funk de um jeito novo e surpreendente!

A Surf Music da banda Beautiful Girls

.

“O lema aqui é No Worries, as duas palavras mais usadas pelos Australianos que esbanjam simpatia, educação, tranquilidade e felicidade. Em um país onde o esporte é atividade mais do que regular…É como beber água!”

noworries

.“Pra forrar o estômago, muitas feirinhas gastronômicas. Uma que gostei bastante é a Miami Marketta que é um mix de comida boa, gente estilosa e música. Esqueça preços horripilantes, aqui, a maioria das coisas é de graça.”

miami-markettaMiami Marketta

.

.“A Austrália valoriza a cultura da troca e a do “no waste”. Existem dois dias na semana nos quais as pessoas colocam os móveis que não querem mais para fora de suas casas. Se você se interessar é só pegar, colocar no carro e levar pra casa que ele será seu. Caso ninguém se interessar, depois de algumas semanas o governo australiano se encarrega de tirar o móvel e levar para um depósito, o Recycle Centre, onde vendem a preços simbólicos. Outro lugar bacana para mobiliar sua casa e garimpar coisas usadas e com qualidade é o leilão de móveis, Loyds. É um galpão também com um monte de coisas desde barcos, carros antigos, motos, a móveis, utensílios de cozinha e eletrodomésticos. Lá você escolhe o que te interessou e todo domingo tem um leilão ao vivo na internet onde você participa, faz seu bid e leva (ou não) sua aposta. Além de ser uma proposta de mercado mais justa, é superdivertido!

A cultura de valorizar as coisas locais aqui já é 100% realidade e é levada super a sério, quando você vai procurar emprego, por exemplo, uma das primeiras coisas que te perguntam é: are you a local?. Isso quer dizer que eles estão querendo saber se você mora perto do seu local de trabalho. Sem contar a fauna e a flora, as praias, os campos, montanhas… Há pouco foi época de migração das baleias. Todos os dias podíamos ver as baleias pertinho da costa, dando seus saltos e brincando pelo caminho. Tem os golfinhos, também, que, literalmente, surfam as ondas junto com os surfistas.”

imagem1Surf em Coolangata, na Goldcoast australiana. Foto do @Ausilians.

.

Deu vontade de fazer as malas e ir hoje mesmo pra Austrália? A gente também! <3

logo menos tendencia para posts blog

BUREAU + ALAGARTA: Slow food em Londres | Uma manhã no Borough Market por aLagarta . | Rio de Janeiro, 01.06.16

aL-BoroughMarket-11

Essa dica é para os entusiastas da slow food com viagem marcada para Londres. Localizado em Southwark, o Borough Market existe há mais de mil anos e é a feira mais antiga da cidade! Passeio imperdível pra uma manhã agradável e (se possível) sem a tradicional chuva londrina. A gente foi e compartilha o que viu com vocês.

aL-BoroughMarket-03

aL-BoroughMarket-15

A caminho do mercado, é possível admirar alguns pontos turísticos da cidade, como a London Bridge. A dica é ir cedo, pra aproveitar bastante o dia. Acredite: não é um passeio rapidinho, tem muita coisa pra ver! Chefs e amantes da cozinha podem ter dificuldades de lidar com tantas barraquinhas diferentes! Os produtos são de extrema qualidade, é possível notar pelas cores vivas, pelo cheiro delicioso e também pode experimentar! Os produtores, muitas vezes, deixam provinhas do que está sendo vendido. E o mais bacana é que são os próprios que fazem ou produzem a comida que você está comprando, do padeiro ao pescador. Além das barraquinhas, há, também, diversos restaurantes pra todos os gostos ao redor do mercado. Pro almoço, a gente optou pelo clássico fish and chips.

aL-BoroughMarket-14

aL-BoroughMarket-13

Encontramos o paraíso numa barraca enorme que parecia vender todos os cogumelos do mundo! Quem se hospeda em apartamento ou casa de amigos pode fazer umas comprinhas pro jantar. Quem adora pimenta, também vai se perder no universo de cores e especiarias.

aL-BoroughMarket-07

Além da variedade de pimenta, há uma incrível variedade de queijos, de todos os tamanhos. E os chás, é claro, também não poderiam ficar de fora. Paramos numa barraquinha chamada Tea2you pra experimentar o mais vendido, com uma mistura que levava canela e gengibre. Delicioso!

aL-BoroughMarket-10

A dica de uma amiga residente em Londres foi começar o dia cedinho no mercado, depois pegar uns petiscos ou chocolates e ir caminhando seguindo o rio Thames até avistar o Big Ben (e tirar muitas fotos bacanas no caminho, é claro!). Um passeio leve e perfeito pra nossa manhã de Sábado – dia da nossa visita ao Borough Market.

aL-BoroughMarket-02

A variedade de tipografias e placas feitas à mão deixa tudo ainda mais único e especial. É muito bacana ver o cuidado com a manutenção, preservação e a limpeza do lugar, que possui até banheiros para os visitantes.

aL-BoroughMarket-17

aL-BoroughMarket-12

Curtiu a dica? Anotaí o endereço: 8 Southwark St, London SE1 1TL. Segunda à Sábado, 10h-17h. E tem mais infos no site oficial do mercado.

{Este post é produzido e compartilhado com *aLagarta}

*A aLagarta é a primeira emag feminina independente e colaborativa do Brasil. Uma eterna mutante, tem vida própria e vira borboleta toda vez que lança uma nova edição.

logo menos tendencia para posts blog