Bureau + Menos Um Lixo: E O Protetor Solar?

No último três de maio, celebramos o Dia Internacional do Sol, um dia pra gente celebrar a vital importância dele pra nossa vida. No final do ano passado, fizemos um vídeo inteirinho dedicado ao protetor solar e os impactos dele pra nossa saúde e especialmente pro meio ambiente, na websérie Verão com o Menos 1 Lixo. Dá um play pra assistir:

E nesse vídeo, uma galera pediu a opinião de um profissional, já que é um assunto bem delicado e carente de informações confiáveis por aí. Verdade! Acolhemos esse pedido e convidamos a dermatologista Luiza Archer, que respondeu as principais dúvidas sobre o assunto pra gente por aqui. Vamos começar do começo?

Por que o protetor solar químico é perigoso pra nossa saúde e pra do planeta?
Os protetores solares químicos têm vários ativos que podem ser prejudiciais pra nossa pele, especialmente pelo uso a longo prazo e são muito perigosos pro meio ambiente, especialmente pros animais marinhos. Os principais componentes do protetor solar químico são:

oxibenzona | presente na maioria dos protetores, ela tem o papel de absorver a radiação UVA e UVB. Ela pode atuar como um disruptor endócrino e sobrecarregar o nosso sistema. Pode favorecer a mutação celular e, então, um câncer de pele. Além disso, existem consequências a longo prazo que ainda desconhecemos. A oxibenzona também estimula a liberação dos radicais livres na pele e favorece o envelhecimento do corpo (e isso vai muito além da estética, é um problema de bom funcionamento dos nossos sistemas todos).

Pro planeta, a oxibenzona também é um perigo, já que danifica o DNA dos corais e pode afetar o sistema neuro endócrino dos animais. Ela é uma substância que não é filtrada nas estações de água e esgoto (que nem a purpurina, lembra?) e contamina rios, oceanos e lençóis freáticos mesmos depois que a gente tira da pele.

Metoxicinamato de octila | estimula a liberação de radicais livres e tem efeito fototóxico, ou seja, pode predispor a uma dermatite em contato com a luz. Também é bastante prejudicial aos corais.

Também estão presente octocrilenoavobenzone e omosalate, que também apresentam toxicidade a longo prazo por uma bio acumulação. E nenhum deles tem substâncias biodegradáveis, o que favorece esse efeito nocivo à natureza e principalmente aos ecossistemas marinhos.

E qual é a diferença entre protetor solar químico e protetor solar físico?
Os protetores químicos têm todas as substâncias perigosas que acabamos de falar. De uma maneira geral, eles absorvem a radiação solar antes que penetre na pele, fazendo com que a radiação seja menos agressiva.

Os filtros físicos não absorvem na nossa pele a radiação, criam apenas uma barreira física na nossa pele. Eles têm como dois principais ativos o óxido de zinco e o dióxido de titânio, que são mais suaves na nossa pele. Eles não podem ser considerados um produto natural, porque não tem 95% dos ingredientes naturais aqui no Brasil, mas a maioria deles já é livre de parabenos e são veganos, sem derivado de petróleo, o que faz com que sejam mais suaves e menos agressivos pra nossa pele.

A pasta d’água é uma opção viável e segura?
Um problema que acontece nos filtros físicos é a questão da dificuldade de espalhabilidade, Eles são mais esbranquiçados e fazem uma barreira de proteção, deixando a pele beeeem branquinha. A pasta d’água tem um outro problema que é a composição: muitas vezes ela é composta de dióxido de zinco, mas às vezes os parabenos são adicionados como conservantes. Os parabenos também têm essa composição de disruptura endócrina, com consequências a longo prazo que a gente desconhece. Eles são muito alergênicos.

Além disso, um dos principais desafios tanto da pasta d’água como do filtro físico é a cor, que não abraça pessoas de pele morena e escura.

E quais os principais cuidados com o filtro físico?
A reaplicação ideal é de 2 em 2 horas, bem espalhadinho, quando a gente tá na praia, na piscina ou fazendo exercícios físicos. Na rotina, aplicar de 4 em 4 horas tá de bom tamanho.

Segue as dicas da Luiza:

o ideal é uma colher média pro rosto todo

1 colher média pra cada braço

1 colher média pra parte da frente do tronco

1 colher média pra parte de trás do tronco

2 colheres médias pra cada perna

Outros cuidados em relação à proteção solar
evitar os horários de sol entre 10:00 as 16:00, usar roupas de proteção UV e respeitar o seu tipo de pele: o sol é terapêutico e ir a praia é uma delícia, mas não precisa se bronzear como um lagarto o dia todo, né?

A alimentação pode ajudar no cuidado e na proteção da pele?
Não existe nenhum alimento que possa substituir um protetor solar, mas os anti-oxidantes ajudam no combate à liberação dos radicais livres, que são estimulados quando ficamos na exposição do sol.

E base com protetor? Pode?
São seguros, desde que com fator de proteção cima de 30, tá? E com as mesmas regras de reaplicação dos protetores solares convencionais.

Quem tem melasma pode usar protetor físico?
Pode sim, só ter mais atenção na reaplicação dele

E o óleo de coco?
Seria um sonho se, além de todas as maravilhas que ele proporciona pra gente, o óleo de coco ainda pudesse nos proteger do sol. Mas não existe comprovação de fotoproteção nele, tá? Então, por enquanto, é fake news :)

Tem mais alguma dúvida? Escreve pra gente! :)

Ah! E lembra de separar a embalagem do protetor solar pra que ela tenha a possibilidade de ser reciclada ou entra em contato com a marca pra entender o programa de logística reversa dela, tá?

Menos Um Lixo

Menos Um Lixo

O Menos Um Lixo é um movimento e plataforma de consumo consciente que chama a atenção das pessoas sobre o volume de lixo que produzem no dia a dia, focando na mudança de pequenos hábitos diários, como a substituição dos descartáveis pelos reutilizáveis.

Deixe um comentário

O que fazemos

Branding

Consultoria de Estilo

Palestras

Vivências para inovação

Pesquisa

Projetos especiais

Criável

RIOetc

Receba nossas news