Ir para conteúdo

Painel sobre Consumo da Nova Era no 33º Congresso Internacional da IAF por Marina Giustino | Rio de Janeiro, 23.11.17

Em outubro, o Bureau de Estilo foi convidado pela ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção) para produzir e mediar o painel “O que querem os consumidores da Nova Era” no 33º Congresso Internacional da IAF (International Apparel Federation).

Representantes da Indústria Têxtil dos quatro cantos do mundo, incluindo países como EUA, França, Índia e China estiveram presentes no congresso, que aconteceu pela primeira vez no Brasil. E pra essa ocasião, o Bureau mapeou alguns novos perfis de consumidor@s brasileir@s, influenciador@s de seus grupos, de diversos recortes e lugares do país. Nossa Rê Abranchs conduziu o painel de forma bastante leve e criativa, abordando questões em torno do Estilo de vida, hábitos de compra, perfis de consumo, influenciador@s e conexões legítimas entre consumidor@s e as marcas que admiram e consomem. Na ocasião, nossa turma também elaborou um Study Tour especial pelas ruas do Rio, apresentando iniciativas, marcas e projetos que representam o Estilo de Vida carioca para os convidad@s do congresso.

Confere alguns cliques! ;)

WhatsApp Image 2017-12-05 at 4.58.09 PM

WhatsApp Image 2017-12-05 at 5.01.37 PM (3)

WhatsApp Image 2017-12-05 at 5.01.38 PM (1)

WhatsApp Image 2017-12-05 at 5.01.32 PM

para blog

logo menos tendencia para posts blog

3 coisas que você precisa saber essa semana por Marina Giustino | Rio de Janeiro, 22.11.17

1 – Greenwashing na Moda. O Modefica listou 5 maneiras pra não cair em propaganda enganosa:

Nos últimos anos, a sustentabilidade tem sido um assunto recorrente na Moda. Com os consumidores cada vez mais conscientes de suas escolhas, muitas marcas têm corrido pra se adequar a novos modelos de produção e consumo. Marcas de fast fashion têm realizado algumas ações pontuais, mas há quem critique bastante, entendendo que nesse tipo de indústria, de produção em massa, é praticamente impossível ser sustentável. Há quem diga, também, que não se pode ser 100% sustentável, mas um passo adiante já é alguma coisa. A maior parte das marcas da Nova Era já nasce com o discurso da sustentabilidade em pauta. Marcas ecofriendly, marcas veganas, compre-um-doe-outro, upcycling… São inúmeros os discursos. Mas até que ponto é verdade ou apenas oportunismo? Quando se trata de oportunismo, utiliza-se o termo greenwashing: “ação que empresas realizam para “maquiar” os seus produtos e tentar passar a ideia de que eles são ecoeficientes, ambientalmente corretos, provêm de processos sustentáveis, entre outros”. Por incrível que pareça, tem muita gente se aproveitando dessa onda. Mas e aí, como não se deixar levar por uma propaganda enganosa? O Modefica listou 5 maneiras pra não cair nessa. Clica aqui pra ler.

green-washing-CAPA

.

.2 – Do lixo ao luxo:

A BISS é uma marca de acessórios espanhola com estética totalmente inspirada em peças ordinárias, dessas que se pode encontrar no lixo ou no chão da rua. Sacos de lixo de couro, tachinhas de mural, clipes de papel, moedas de 1 centavo, lacres de latinha de refrigerante. A inspiração vem toda daí com linguagem cool e atual. Crítica ao consumo? Um grande deboche? A gente já vem falando dessa onda por aqui, cuja maior inspiradora é a Vetements. Sente só! ;)

BIIS_1cuad©biis_T02_C1-SP_Y-1016x1024BIIS-SS17-21-1024x574

.
.3 – Que tal jogar tênis em uma igreja do século XVI?

O artista americano Asad Raza subverte espaços, experiências e interações humanas. Em seu mais recente trabalho intitulado Untitled (plot for dialogue), ele recriou uma quadra de tênis dentro de uma igreja renascentista italiana, em Milão. A junção é improvável, mas linda! E os visitantes ali presentes não são meros expectadores! É possível interagir com a obra jogando uma partida de tênis com o auxílio de um treinador.
A igreja de San Paolo Converso foi desconsagrada por um decreto napoleônico no século XIX, mas sua arquitetura foi conservada, e atualmente, o local abriga um estúdio de arquitetura que sede o espaço para exposições e instalações de arte que dialoguem com história e a função simbólica do lugar. Se estiver por Milão, não perde essa experiência.

Isso tudo nos lembra o Kaos Temple (La Iglesia Skate), igreja abandonada na Espanha, que virou pista de skate e foi inteiramente grafitada pelo artista Okuda San Miguel. Quem aí lembra? ;)

untitled-asad-raza_02untitled-asad-raza_03untitled-asad-raza_05

logo menos tendencia para posts blog

BUREAU + FÊ CORTEZ: Lixo no Céu | 5.2 Milhões de toneladas de lixo por ano por Fernanda Cortez - Menos Um Lixo | Rio de Janeiro, 14.09.17

Untitled-1-2-1425x400

Na missão do #Menos1LixonaEstrada, a Fe Cortez fez o possível para evitar gerar lixo nos aeroportos e nos aviões. Levou o kit de viagem lixo zero, que inclui: marmita, garrafa térmica, copinho, talheres e canudinho reutilizáveis. Mais: caprichou nas receitas para as marmitas que a Alana Rox, do Diário de uma Vegana, publicou lá no stories do instagram do Menos 1 Lixo (em breve, vamos publicar o video completo e receitas no site – fiquem ligados!)

Mas o vôo entre São Paulo e Doha era muito, mas muito longo. Tão longo que acabou a comida da marmita e a Fe teve que fazer uma refeição de avião. Foi aí que puxou papo com uma das comissárias sobre o destino do lixo, e a resposta foi a seguinte: não existe separação de lixo, vai tudo para o mesmo lugar “porque não tem espaço para separar”.

Isso nos motivou a pesquisar sobre o assunto. E não é que a afirmação da comissária parece ser verdade para a maioria das companhias aéreas?

765_360_comida-ingles-no-aviao_1489407672

O artigo “A rídicula história da comida do avião e porque tanto lixo vai parar nos aterros”, publicado pelo The Guardian no dia 1 de abril de 2017 aponta um número alarmante de 2016: 5.2 milhões de toneladas de lixo  foram geradas nas aeronaves.

E para onde foram? Aterros ou em locais para incineração. Esses dados são da International Air Transport Association (IATA), e a previsão é que o número dobre nos próximos 15 anos. Estão incluídos nesta soma o papel higiênico dos banheiros, as garrafas em miniatura de vinho da primeira classe, as sobras das marmitas, as marmitas que não são abertas e as escovas de dentes que ninguém usou – entre outras pequenas embalagens e pequenos itens típicos de viagem de avião.

As refeições nos aviões são a maior fonte geradora de lixo. Algumas companhias aéreas empreenderam esforços para a separação e destino do lixo gerado em suas aeronaves, como a TAM e a Alaskan Airlines, por exemplo.

Em outras pontas de responsabilidade com o lixo: temos a Iberia, que trabalha em um programa de experimentação para reduzir as embalagens; e a United Airlines, que adotou copos compostáveis de papel no ano passado, e a prática de doar os kits com itens de higiene, não utilizados, para pessoas em situação de risco social. Outra iniciativa bacana é da Quantas, que utiliza um envelope que, normalmente, seria empregado para receber doações para a caridade, para embalar os fones de ouvidos que são entregues durante o vôo.

soneca-no-aviao-fone-de-ouvido

Agora, falando sobre os fones de ouvido, que acabam tendo a vida de útil de apenas 1 vôo, a única iniciativa de reciclagem que tivemos conhecimento foi a da Virgin: que recicla todas as partes dos fones de ouvido (inclusive a espuminha, que tem como destino o chão que pavimenta centros equestres).

O foco dos programas, além de maneiras de pensar em como reduzir as embalagens e destinar o lixo, também explora o emprego de talheres reutilizáveis e o uso de informações sobre os passageiros. Por exemplo: saber antecipadamente a preferência da refeição de um passageiro significa reduzir a quantidade de refeições desperdiçadas em um determinado vôo.

MASU17_GIF_05_Drink

Mesmo assim, por mais que as companhias aéreas ensaiem uma movimentação que está longe de ser o suficiente para reverter as projeções, ainda existe um longo caminho para percorrer.

Reverter esse quadro, como sempre, depende muito de nós e do poder do nosso bolso. Para não contribuir com esses números absurdos de geração de lixo dentro das aeronaves, que tal buscar conhecimento sobre a postura das empresas áreas que escolhemos? Que tal cobrar ações e resultados? E a regra dos Rs vale para quem viaja no céu também: antes de aceitar o fone de ouvido ou aquela bandeja de comida que você não está muito a fim, que tal repensar, reduzir, recusar?

.